quinta-feira, 8 de junho de 2017

que o meu amor, por ser homem, tenha uma boa mulher que o ame e que o faça feliz
porque eu por amá-lo e por não  tê-lo,  amo-o tanto  e de tal forma
que desejo apenas que o amor cresça
e que por ser gigante e belo
transcenda as urgências da carne e do espirito
transformando tudo  o que é imutável em nós
no maior amor que alguém é capaz de sentir
pelo infinito afora

quarta-feira, 31 de maio de 2017

MARCAS E SAUDADES


É chegado o tempo de evocar lembranças e reavivá-las em nossa memória. Breves foram os dias que passamos juntos. Seria bom fazer do tempo, um rio, e sentar às margens para observar suas águas. Mas a vida escapou ao tempo que, embora breve, permitiu emoções intensas. Na convivência, criamos vínculos. A cada dia de aula não buscamos somente o saber, mas também o amigo. E na doçura da amizade havia risos e partilha de prazeres. Ao sonhar o mesmo sonho dividimos nossas alegrias e mágoas. Todavia, algo mais terno que o riso e mais forte que a ânsia pela vida nos uniu. O ilimitado em nós. Que nos torna grandiosos e capazes de amarmos uns aos outros.
E foi assim que sofremos com a saudade dos nossos que se foram. Digo “dos nossos” porque, como fazemos parte de um todo, cada um que se vai é um pouco de nós que se acaba também. Porém o rio do tempo continua a correr.
E enquanto amores se desvaneceram outros se concretizaram jurando-se infinitos
Gorete, Laís, Renata, Flávia, Luciana, Roseli e Ellen. Possibilitando a renovação da vida com a chegada de...Davi e Gabriel
Sejam sempre bem vindos!
Em alguns momentos a bruxa andou solta assustando as motoqueiras e outras colegas.
Graças a Deus, todo mundo se recuperou, e temos que mencionar a superação, principalmente de Ivone Lisboa e Verônica. Parabéns às duas!
Amizades nasceram e uniram o grupo da frente, Aline, Vanessa, Verônica, Marília, Edmar e Paulo César. Todas as noites no Intervalo, assim como o grupo do fundão e o grupo do meio, das mais sérias, inteligentes e compromissadas. Temos também as meninas mais jovens que juram amizade eterna a cada post no face. Gorete e Geiziane começaram juntas e permaneceram até o fim. A Cris Silva e o Paulo Geovane, idem. As duas de Pitangui não se largaram nem uma aula, assim como a Lívia e a Marinalva. Aliás, as quatro desfilavam modelitos, cabelos, caras e bocas. Isso sem falar em como se mostraram espirituosas na hora de apresentar trabalhos. Fazendo jus a Roseli, a surpreendente e Ellen, a colorida, que também são ótimas nessa área. Já a Maria Ângela, que junto com Vânia demonstrou uma inteligência humilhante, tinha muitos segredos com o Edmar. Os dois sempre juntos com cochichos e risinhos. O Edmar, excelente aluno, nasceu para ser professor e para ajudar a Cristina Mara ( rsrsrs). Por falar em humilhante, retorno ao Paulo Geovane nas provas de Inglês, quando terminava antes da Bini explicar o que devia ser feito. Eu não sei quanto a vocês, mas eu quase morria de inveja
Maria Aparecida, a mais discreta e calada, com o cabelão mais bonito, também desfilou uns modelos incríveis de blusas. Logo atrás dela a Luciana, linda, amiga, também com o cabelão e com um sorriso de dar inveja! Ah, nem! A Danila, na fila oposta, que de tão discreta já sentava perto da porta pra sair de fininho, sempre na dela, mas também sempre disposta a ajudar, não desgrudava da Bárbara.
A Siléri tinha que fazer um teste na Globo! Junto com o Paulo Delícia, os dois iriam desbancar o Pitt e a Jolie. Linda, também, e meiga, sempre na dela, é a Patrícia Lacerda. Gente, e a Derly, habitante do Condomínio Dona Flor, tão loira com os olhos verdes? Amiga, gente fina e esforçada. Tiro o chapéu. É, mas temos também a Sônia Barros, a Estefânia, todas na luta com o trabalho, família, etc. A Flávia Rezende não é casada mas também pelejava. E sempre muito caprichosa com os deveres do curso. E a Patrícia Gonçalves, e a Eliza?! Prazer em conhecer. Tá certo que são funcionárias do Estado, mas trabalham e são pessoas de primeira linha. A Renata e a Flávia Aguiar demonstraram perfeição em seus trabalhos, sem atrasos. Parabéns! Aliás, a Flávia Aguiar gosta muito de ler, parabéns de novo! Outro que gosta muito de ler é o Vicente. Responsável, compromissado, todo família. Vale a pena ter um amigo assim! Ele e Alex são os mais politizados da sala. Parabéns para eles! Outro politizado é o Daniel, "chegado" no Nietzsche. Entrou já no finalzinho mas marcou sua presença. E o Breno? O Breno, o turista, o saradão, gente boa, gosto muito dele. Disputava com o Paulo Delícia os olhares femininos. A Tatiana fazia parte do grupinho das mais jovens...Gabi, Tamara, Janaína e Talita. Pra falar a verdade, não sei se frequentavam o Bar da Cláudia, mas estão sempre juntas nos posts do face. A Marisa, aquela que passa as férias na Europa, ser humano de primeira, gosta de tirar fotos e de ajudar as pessoas. Sempre dava uns rolezinhos com a amiga Sandra, de Itaúna. Muito obrigada a ela, Luciana Duarte, Patrícia Lacerda que me ajudaram em um momento de aflição. Muito obrigada também a Marília Chaves pela ajuda, e a Patrícia Gonçalves pelos lindos brincos verdes. Devo dizer que agradeci a todos que me ajudaram na página de agradecimentos de minha monografia. Um assunto puxa o outro e eu quase não falava da festeira da sala. Tchan, tchan, tchan, quem será? Um doce pra quem disser Rosilene Maia. Meu Deus, como ela gosta de dar presente! Sandra Luísa também é uma pessoa que gosta de agradar. Gosta de liderar, mas tem muito expediente pra isso. Jeitosa com as coisas que se propunha a fazer. Viviane, a mais amada, recebe flores em todas as datas, mesmo não sendo especiais. A Leila, gosta de tudo muito explicadinho e junto com a Bárbara, Aline Silva, Marília, Estefânia, (quem mais?) já gozam das alegrias de serem professores! Aliás, a Bárbara, hem, professora de Inglês! Tiro todos os chapéus pra ela.
Bem, a Selma, a nossa Jade, e a Geiziane, curtem mesmo é um trabalho maneiro com as crianças pequenas. E agora, vão continuar na Educação Infantil? Já a Rosiane Souza, também excelente pessoa, que acha tudo interessante, prefere continuar fazendo comercial da loja em que trabalha, na praia onde costuma passar as férias.
E nós todos que também estivemos de férias, agora já começamos a sentir saudade. Ouçam o eco das risadas, das brincadeiras. Mesmo o silêncio aflito dos dias de prova. O rio corre e mesmo quando a terra dorme estamos viajando. Nunca a aurora nos encontra onde o poente nos deixou. Mas estamos ligados para todo o sempre com o elo da amizade. Aqui deixo meu adeus a todos você e agradeço ao sopro de juventude nos dias que passei entre vós. Foi somente ontem que nos encontramos num sonho e agora devemos nos separar.
Se nos encontrarmos outra vez no crepúsculo da memória, conversaremos de novo,e de mãos dadas em outro sonho, cantaremos uma canção de bem aventurança.
Sejam felizes!

Lécia Freitas

domingo, 28 de maio de 2017

Ah...que depois de tudo eu permaneça na beira de algum caminho... ou num aliso de vereda...minha alma a ouvir sempre o inaudível...e tão livre! Há de buscar todos os sons...e cores...do que não sai de dentro de mim! Para todo o sempre!
Lécia Freitas
O rio que corre. Sempre, sempre, mas não vai para o mar. Vai para outras paragens. Seja no real ou no imaginário. Busca a razão do riso e a dor. Tão intrinsecamente ligados, complementando-se. Eu vejo o rio que corre. E o rio que corre me fita. O rio nunca para, nem o riso, nem a dor. O rio da vida.
Lécia Freitas

sábado, 27 de maio de 2017

O BRASIL NA LUTA CONTRA A FOME



            Observando o mapa apresentado para aporte na figura 1, pode-se  acreditar que o Brasil é um país capaz de ajudar o mundo a combater a fome devido ao território extenso e à grande área de terra cultivável.  Além disso, o país possui recursos hídricos suficientes, que podem ser utilizadas para irrigação,  possibilitando   diversidade de culturas e uma produção de grãos que excede o necessário para o consumo dos brasileiros. De acordo com programa de conhecida rede de televisão, voltado para esse assunto, em áreas impossibilitadas de serem aproveitadas, até então, devido à seca prolongada, hoje com a irrigação está sendo possível a produção de  uma grande variedade de frutas e legumes, gerando renda e qualidade de vida para os moradores dessas regiões mais afastadas dos grandes centros produtores de alimentos e  com uma  agricultura extensiva.
            O emaranhado de fatores em que consiste as políticas públicas, econômica e social do país, impede ou dificulta  a oferta de alimentos  de forma igualitária a todo os brasileiros. Nos últimos anos, o Governo Federal, com o programa Fome Zero, Bolsa-Família e outros, tem tentado amenizar essa situação, sendo que segundos dados noticiados pela mídia, os índices da fome e da miséria têm diminuído. Com isso, há uma melhora significativa da saúde e da educação, da população mais carente, uma vez que os fatores estão interligados.
            Toda essa conjuntura chamou a atenção de outros países que vê no Brasil um modelo a ser seguido na luta contra a erradicação da fome. No entanto, isso foi possível devido às ações do Governo  a  sua determinação em acabar com a miséria no país. Em suas palestras proferidas em diversos países, o ex- Presidente Lula tem falado sobre seu projeto empregado no Brasil, durante o seu governo, e agora, no governo atual da Presidenta Dilma, com o objetivo de erradicar a fome e a miséria. São visíveis as transformações ocorridas na população mais carente do país. O Brasil sempre teve um potencial capaz de obter uma grande produção de alimentos, porém  era mal gerenciado devido às ações políticas dos governos  anteriores. Acredita-se que muito mais ainda pode ser feito, uma vez que o país possui condições e tem um povo empreendedor. Em notícias veiculadas pela mídia é possível perceber que os grandes produtores têm investido em técnicas e aprimoramentos para uma produção cada vez maior de alimentos. É preciso, portanto, investimentos e administração  adequada.
            Infelizmente, as condições climáticas dos últimos anos têm se alterado, trazendo longos períodos de estiagem, ou  chuvas excessivas em outras áreas, o que tem prejudicado bastante a produção de alimentos em todo o país. É comum notícias de que  plantações inteiras foram perdidas por um desses fatores.
            Em razão disso, é fundamental que as políticas ambientais tomem medidas, no sentido de preservar o meio ambiente, principalmente as nascentes e os cursos d’água, além da recuperação de áreas degradadas, e esgotadas pelo uso inadequado de práticas de cultivo, investindo em  técnicas mais apropriadas para cada caso, visando amenizar os efeitos naturais do clima e tentando soluções para a questão ambiental e suas consequências. Torna-se importante investir na educação das novas gerações sobre o trato com a terra e o meio ambiente, criando condições e incentivos para fixar o homem no campo, e assim garantir uma produção de alimentos e qualidade de vida não só aos brasileiros mas também a outros povos.

            
Lécia Freitas

O CONHECIMENTO E O MERCADO DE TRABALHO


           
            De acordo com os estudos realizados, a análise crítica de Castells sobre as hipóteses, desconstrói o negativismo existente nas teorias pós- industrialismo a respeito das oportunidades de trabalho existentes no mercado.  O autor analisa as teorias sobre as mudanças que vão ocorrer nas atividades de trabalho existentes na era informacional, em que é afirmada a diminuição das vagas de emprego oferecidas nas indústrias no setor de produção e o fim do emprego rural. Dessa forma a maior oferta de empregos seria na prestação de serviços, nas sociedades mais avançadas.
            O que se pode observar que a sociedade realmente se transforma devido a chamada “era digital”. A importância de profissões com grande conteúdo de informação e conhecimentos como as administrativas, e técnicas  especializadas crescem, não só no Brasil e há um interesse da população devido às compensações salariais. Não se acredita, no entanto no declínio das atividades rurais. Com o aumento populacional a produção de alimentos também deve aumentar. Embora cada vez mais as novas tecnologias estejam presentes  nesse tipo de atividade, o que requer especialização e conhecimentos,  é necessária uma mão de obra que não pode ser substituída por máquinas. Não se imagina uma produção em massa de alimentos sintéticos. O que se vê nos informativos a respeito é o aprimoramento desses empregos, em que está sendo exigida uma capacitação do empregado. Nesse caso, melhoram as compensações o que tem ocasionado uma qualidade de vida cada vez melhor ao homem do campo, traduzida em aquisição de bens, favorecendo a indústria.  Os  produtores rurais, de pequeno e médio porte, sem grandes perspectivas financeiras vão continuar, apesar de toda a intricada rede de informação e dos prognósticos da teoria, a utilizar a mão de obra humana  em suas atividades. E eles são muitos, não só aqui no Brasil como também em outros países de todas as partes do mundo.
            Mesmo em sociedades mais avançadas como no Japão, em alguns países europeus e outros que emergem, esses diagnósticos devem ser olhados com cautela. Com a globalização o que se tem visto nos noticiários é uma retração da economia, de diversos países, ocasionada por vários fatores, como os acontecimentos ocorridos na China por exemplo. A reestabilização, e consequente avanço, da economia é um processo lento. No Brasil devido a fatores como a forte  crise política, econômica e social, que tem ocasionado uma estagnação em todos os setores, ocorre uma desindustrialização. Contudo, o que se espera, é que haja uma reação tanto do Governo quanto da sociedade, e que o país volte a crescer. Os programas sociais do governo brasileiro têm favorecido às famílias de baixa renda a possibilidade de adquirir bens de consumo pela primeira vez. Isso aquece a indústria e o comércio e garante o mercado de trabalho.
            Acredita-se que de acordo com os avanços das sociedades, as atividades relacionadas ao conhecimento e informação, cada vez mais, irão adquirir importância. A prestação de serviços, também deve se evoluir  numa dinâmica cada vez mais sofisticada, isso nos grandes centros. Mas nem toda a população mundial vive nas grandes cidades.  As cidades de pequeno e médio porte, com suas pequenas indústrias,  não devem ser desconsideradas na sua oferta de empregos. Observando que, devido aos enormes problemas enfrentados pela população no dia a dia das grandes cidades, muitos estão fazendo o caminho de volta.

            De acordo com o texto para aporte e pela argumentação de Castells, no processo de transformação do mercado não desaparece nenhuma categoria importante de serviço. O que ocorre é uma diversidade cada vez maior de atividades e o surgimento de um conjunto de conexões entre as diferentes atividades que torna obsoleta as categorias de emprego. No entanto, essa situação sempre aconteceu ao longo do desenvolvimento da humanidade, em que algumas categorias de emprego foram substituídas por outras, não ocorrendo somente agora com o aumento  das atividades ligadas à informação e à prestação de serviços. 

Lécia Freitas

PROTEÇÃO AO EMPREGO



            De acordo com o gráfico apresentado para aporte, em um mês,  mais de cem mil trabalhadores brasileiros perderam seu emprego,  o  que preocupa toda a sociedade! Numa crise econômica, ou mesmo fora dela nada angustia mais o trabalhador, o pai de família, do que a iminência da perda do emprego. Isso sem falar que o desemprego, ainda que em um setor apenas, adquire um efeito dominó, que leva à desaceleração da economia.
            Por causa disso, foi criado pelo governo federal um programa denominado Programa de Proteção ao Emprego- PPE-  com medidas que visam manter o emprego de milhares de trabalhadores. A diminuição proporcional dos rendimentos ocasionada pela redução da jornada em até 30% será uma das medidas tomadas para aumentar o número de vagas. A complementação da renda se efetuará  com recursos  do Fundo de Amparo ao Trabalhador - FAT. A expectativa é de amparar cinquenta mil trabalhadores. Além de proteger o emprego, o programa tem como objetivo economizar, uma vez que o pagamento do seguro-desemprego, a tantos, seria muito maior que o valor empregado nas medidas de conservação do emprego. As empresas que aderiram ao programa devem seguir determinações e um prazo estipulado pelo governo.
            A permanência desses empregos traz benefícios a todo o país, lembrando o efeito dominó, além de manter certo clima de tranquilidade. Considera-se uma medida importante, uma vez que ter um  trabalho para a sobrevivência da família é uma das prerrogativas mais importante para o ser humano. Além disso, os recursos utilizados serão de um Fundo criado para atender o trabalhador. Com essa medida o Governo espera que as empresas continuem  operando, o que é essencial para a economia.
           Ressalta-se que não há registros de tentativas semelhantes, ao que se sabe nunca foi tentado antes, portanto, não se tem nenhuma experiência relacionadas a essas medidas,  nem se as empresas coseguirão manter os empregos, apesar da crise.

Lécia Freitas